Jornalista, periodista, journalist

No colegial, não fazia a mínima ideia do que ia fazer na faculdade. Pensei em Marketing, Publicidade, mas sabia que não era isso, não era esse o caminho. Então, um belo dia, todos do 3º E da ETE Lauro Gomes foram visitar a Faculdade Metodista. Sim, eu estudava em São Bernardo do Campo e foi uma experiência incrível ter que viajar para outra cidade todos os dias, durante três anos seguidos.

Lá conhecemos os laboratórios de Rádio e TV, “brincamos” com tudo que podíamos, e assim descobri que queria fazer isso da vida: trabalhar com palavras, imagens, sons, papel, televisão, rádio. Esse era o meu futuro!

Primeiro ano de cursinho, 18 anos, vida insana de descobertas etc. Resumo: os estudos não foram bons o suficiente, a cabeça não estava concentrada em apenas uma coisa. Aprendi bastante, mas não dava para entrar em Audiovisual na USP; tentei Letras, fiquei por umas 20 pessoas. OK! Trabalhava como recepcionista, mas não daria para pagar nem metade da mensalidade do curso de Rádio e TV da Cásper Líbero (eu passei).

O jeito foi investir em mais um ano de cursinho, mas dessa vez me dedicar plenamente a eles. Passava quase 24 horas por dia no Objetivo Santo Amaro (Marcela e Priscila, minhas lindas, obrigada por me fazerem companhia sempre). E foi o que fiz, mas não deu de novo. Não era nerd o suficiente e minha relação com Exatas não me ajudava. Entendia Física, Química, Matemática, mas na hora do vamos ver, what the fuck is this?!

Resultados finais:

Audiovisual na USP. Nota de corte: 68. Nota do ser humano aqui: 64. Nem cheguei a me divertir na segunda fase, muito menos a me aventurar na prova específica.

Rádio e TV na Metodista: Passei! Yes! Mas não tinha dinheiro (estava desempregada). Acho que nunca chorei tanto de desespero. Pensei que teria que fazer mais um ano de cursinho. O pior era que nem Medicina eu queria, era só algum curso de Humanas, merda!

ProUni: Jornalismo na PUC-SP. Nota no Enem: 90,05. Resultado: Consegui! Entrei! Por que Jornalismo e por que PUC? Sei lá! Um professor sempre falava desse curso e dessa faculdade, então a escolhi no ProUni. Nice!

Não via muita diferença entre Rádio e TV e Jornalismo. Ambos me levariam ao fantástico mundo dos documentários, porém as coisas não foram bem como eu esperava. Queria um mundo diferente e maravilhoso na faculdade e nada mudou, parecia extensão do colegial. Além disso tudo começou com greve, panelaço, apitaço, passeata e essas coisas. Crise imensa e eterna na PUC.

Estava com 20 anos, buscando conhecimento e tentando produzir conhecimento e a sala não ajudava, eu não me ajudava, nada ajudava, muito menos a estrutura da universidade. Minhas expectativas foram destruídas. Tirei força de sei lá onde e corri atrás (só um pouqinho). Alguns professores ainda lutavam por algum movimento de criação e não apenas preparação para o mercado. Fui na primeira opção. (Olha, acho que por isso não tenho emprego agora! Achei o motivo! Rá!)

Nos dois primeiros anos, escrevia cerca de duas matérias por edição do Contraponto, jornal laboratório da PUC-SP. No segundo ano, fiz iniciação científica com o tema Novo Jornalismo no Brasil. Experiência ótima. Aprendi muito, muito mesmo. No terceiro, resolvi trabalhar. Comecei na assessoria de imprensa do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) e, cerca de oito meses depois, fui para a parte de Publicações da Fundação Osesp. Experiências únicas e maravilhosas. De um lado terceiro setor e do outro música clássica, mias coisas para aprender. No quarto ano, pari um filho: meu trabalho de conclusão de curso sobre Restaurantes Antigos de São Paulo, o meu querido livro chamado Menu. Um fofo, a coisa mais linda. Depositei fichas nele, mas tadinho, ele sozinho não abriria portas para mim.

Agora estou aqui, em casa, caçando um emprego desesperadamente e cheia de amor e dedicação para dar, ansiosa por novas experiências, para aprender mais e mais. Assim é minha vida desde meus 14 anos de idade e parar de repente, por mais cansada que estivesse, foi um choque imenso. Não nasci para ficar plaatada em casa.

Preciso pesquisar, estudar, aprender novas línguas, fazer curtas-metragens, documentários, escrever livros, matérias, resenhas, fazer revisão de texto, transcrições, ser jornalista, me sentir jornalista e ser útil para a sociedade fazendo e sendo o que eu sei de melhor.

Hoje é meu primeiro Dia do Jornalista (de acordo com a Wikipédia, é dia do jornalista por causa da fundação da Associação Brasileira de Imprensa – ABI) e não consigo comemorar de forma apropriada, porém sinto que eu não seria diferente.

Não digo ter orgulho, não defendo a profissão com unhas e dentes, mas posso me rotular assim: JORNALISTA.

Só posso garantir que ainda verão muito meu nome por aí. É uma questão de tempo e penso assim para não enlouquecer. Farei trabalhos lindos!

.

.

.

OBS: Post escrito tendo como trilha sonora músicas sugeridas pelo grande The Sixty One.

Anúncios

6 comentários sobre “Jornalista, periodista, journalist

  1. Ralph disse:

    achei seu blog pelo twitter. você escreve muito bem! espero que se vc for uma jornalista famosa um dia eu possa dizer quer que li o blog dela antes de ser famosa.

  2. Paula,

    Não tenho a menor dúvida do seu brilhantismo.

    Adoro!

    ————–

    Assim que assisti esse vídeo, tive vontade de compartilhar com quem gosto aqui nessa blogosfera. Uma menina talentosa desse jeito, só pode ser muito iluminada.

    Confira o espetáculo:

    Beijo imenso, menina linda.

    Rebeca

  3. Paula Cabral disse:

    Na véspera de abrir a minha galeria de arte no coração de Lisboa, no nº 21-23 da Rua da Escola Politécnica, no Príncipe Real, quero daqui saúdar todos os Cabrais do mundo, em especial os Paulos e as Paulas deste universo internauta. São todos bem vindos. Xi Coração daqui de Portugal global

  4. quero trabalhar na tv no meio de celebridades frequentando festas quero que o meu nome saia em revistas jornais e pensei q a unica maneira de isso se realizar fosse me tornando jornalista estou certa devo segui esta carreira?

  5. Paula disse:

    Cara Beatriz,
    Para frequentar o mundo das celebridades, basta participar do BBB. Estudar Jornalismo para quê?
    Economize tempo e vá pelo caminho mais curto.
    Got it?
    Beijocas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s