Sexta-feira da Paixão

Depois de muito ser pentelhada religiosamente pelo meu pai após brincar com minha irmã que inocentemente perguntou: Se no Natal é missa do galo, na Páscoa é missa do quê? E eu respondi: É missa do coelhinho!, comemos peixe.

Uma brincadeira inocente fez com que eu ouvisse que, quando eu precisar, eu vou atrás da religião, que eu não acredito em nada, que não respeito ninguém. Só quero deixar claro que espero não ter que passar por algo tão horrível para ter que correr atrás de religião. Então peço que você, caro leitor, religioso ou não, sempre respeite a opção do outro, não importa o que ele for, inclusive nada como eu, que apenas acredito em minhas coisas e no que faz sentido, como energias, boas ou ruins.

Meu papito era para mim a pessoa mais inteligente do mundo, mas foi limitando seu pensamento, ouvindo apenas músicas religiosas, até de evangélicos e etc., lendo apenas livros escritos por padres, vendo apenas filmes que contam a trágica tragetário de Jesus Cristo na Terra. Mal sabe ele que grandes escritores brasileiros ou não, ateus ou não, já fizeram obras mais incríveis discutindo o ser humano e sua necessidade de algo maior do que qualquer padre pode ter escrito.

Outra coisa que me incomoda profundamente é ter que ouvir toda vez que indiano é meio burro por acreditar em vários deuses, inclusive alguns com forma de animais como ganesh, se eu não me engano, que tem cabeça de elefante. Que eles acreditam em tudo! Cada um faz o que bem entender. Poderia criar o deus URSINHO DE PELÚCIA e acreditar muito em seu poder. A questão é ter fé e força de vontade, o resto não importa. Não quero saber se há Deus, deuses como Shiva, Zeus, qualquer um, com Jesus ou não, com Eva e Adão, ou não. Quero é viver minha vida da forma mais tranquila que existir sendo eu, a Paula, um indivíduo, uma cidadã paulistana, brasileira, que antes de tudo vive, existe, pensa, tem sonhos e pesadelos.

Não importa no que acredito, quero ser respeitada pelo o que sou. Se não mereço respeito por isso, me explique o que acontece, porque só aceito ser desrespeitada caso eu desrespeite alguém, caso contrário, nunca levante a voz ou dê risada, aponte ou me julgue.

Dado o recado e feito o desabafo.

Seja feliz como é, sempre buscando estar bem consigo mesmo.

 

OBS: Sinta a brisa, o sol, no rosto. Feche os olhos e sorria.