Nota 10!!!

Muito se leu nesse blog sobre um tal de TCC e nessa quinta-feira aconteceu a banca, aquela que definiria minha nota e minha saída com glória ou não da faculdade!

E o resultado foi esse:

10! 10! 10! 10! 10!

Esse ser humano aqui tirou 10 e está saltitante até agora!

Só recebi elogios e toques do professor de História da Gastronomia da Anhembi-Morumbi, Ricardo Maranhão, além das palavras emocionantes de J. S. Faro, que me deu aula no primeiro ano, me ajudou com minha iniciação científica e a aprovou, me indicou várias leituras, e blogs, e tudo o mais. Até o Zine Qua Non foi citado!

Agradeço a todos pela paciência e torcida…

Para quem quiser checar meu livrinho, aqui está o link:

http://www.4shared.com/dir/23741629/ece55af8/TCC.html

Obrigada

.

.

OBS: Aguardem novos posts… Minha cabeça está voltando a pensar aos poucos!

Início, MEIO e fim

Nem sei em que dia do mês estamos, mas tenho certeza de que já é Natal e as luzinhas dominarão o mundo, principalmente a Avenida Paulista, e eu passarei a ter medo de ir a shoppings por, mesmo tendo 23 anos de idade nas costas, ainda ter receio de ver aqueles papais noéis estranhos pegando milhares de crianças no colo e perguntando o que elas querem de presente para nada, já que são seus pais que vão comprar os brinquedos mais caríssimos do universo para que se convençam de que assim compensarão o tempo que não passam com seus filhotes por estarem trabalhando para poder dar a eles um bom lar, comida, estudo, carro etc. etc. etc., consumir muito e matar o planeta rapidamente.

Bom, será que estou de bom humor?

Mas resumidamente ainda estou presa ao meu TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (vulgo tcc) e ele me sufoca a cada dia. Na verdade, já se tornou um Alien, tem vida própria, come, bebe, vai ao banheiro, respira, assusta os outros, essas coisas de monstros.

Sinto que estou perdendo meus amigos, minha família, relacionamentos, empregos, saúde, dinheiro… noites bem dormidas (o que mais pesa). E a culpa é dele, só dele.

Sei que tudo isso também é um exagero, mas o que seria de mim e de minhas piadas horríveis sem o exagero?

Bom, é isso!

E para acompanhar mais minha rotina “animadíssima” e “cheia de novidades”: http://www.twitter.com/zinequanon

Maratona 2009: em busca do tcc perfeito

Mais um mês se inicia e aqui estou eu, em busca do tcc perfeito.

Em conversa com um dos meus professores, o querido Mieli, organizei algumas informações, vi formas de colocar no papel aquilo que gostaria sem deixar o texto muito chato e ele me indicou colocar minha opinião na conclusão, dizer o que acho de tudo isso: culinária atual, sobrevivência dos restaurantes antigos, surgimento de vários outros, slow food, fast food, self-service…

Vai dar trabalho, mas ficará lindo, lindo mesmo…

Depois disso curti um pastelzinho de carne desfiada com queijo, catupiry e tomate saco e chocolate com doce de leite na feira que tem perto da PUC. Delícia!!!

Agora é trabalhar morrendo de sono e preocupada com todas as coisas que ainda tenho que fazer para o tcc. Preciso agilizar minha folga no trabalho!

OBS: Hora de correr e correr e correr até deixar de sentir as pernas, os braços, a cabeça, o corpo inteiro… Depois posso desmaiar a vontade.

Com a corda no pescoço…

Hoje foi definida a data de minha morte ou glorificação… Espero do fundo do coração que aconteça a segunda opção!

Dia de sorteio das datas das bancas de tcc. Paula Cabral se preocupa, pois sabe que sua sorte em sorteios é nula, não importando se ela ou qualquer outra pessoa em seu nome pegará o tão doido papelzinho.

Datas disponíveis: do dia 3 de novembro ao dia 9 de dezembro, todas as segundas, terças e quartas-feiras.

Torcendo para pegar qualquer dia em dezembro ou finalzinho de novembro, adivinha que dia essa que vos escreve pega? T-R-Ê-S D-E N-O-V-E-M-B-R-O…

Eu sou um poço de sorte, de alegria, de felicidade plena estranga, podre e fétida. Putz grill, só eu mesmo! Toda doida com prazos e afazeres e pego bem a primeira data. Isso deve ser um sinal dos céus, não é possível.

Reação um: Choro compulsivo, desespero intenso, abraço de amigos (Bruno, Max e Gustavo).

Reação dois: Fuga.

Reação três: Ligar para a Luana e desabafar. Ir para o apartamento dela, reclamar de tudo, xingar o mundo e odiar a vida.

Reação quatro: Reencontrar aqueles que me viram pirar e avisar que estou me recuperando.

Reação cinco: Ir para o shopping, comer no Burguer King e tomar um super café no Starbucks.

Reação seis: Ligar para o Rafael e choramingar e ouvir não nessas palavras: “Hora de mexer a bunda! Eu te ajudo!” Hehehe…

Reação sete: Fazer uma mobilização forte e pedir ajuda de todo mundo ao mesmo tempo.

Reação oito: Ficar anestesiada e agir.

Reação nove: Enviar e-mails, dar telefonemas, transcrever entrevista, escrever textos, editar textos, diagramar, arrumar imagens e pedir duas semanas de “folga” no trabalho para conseguir fazer tudo isso dentro do prazo estipulado (um mês).

Reação dez: Estar com olheiras gigantescas e olhar de peixe morte, além de saúde debilitada, no dia da banca.

3 de dezembro de 2009

Nunca me esquecerei dessa data!!!

OBS: Stayin’ aliiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiive… Bee Gees style!

Em crise

Primeira aula: crise. PUC: crise. Paula: crise. TCC: crise. Jornal: crise. Revista: crise. TV: crise.

A crise está banalizada! É fato!

Na segunda aula do dia, num exercício aparentemente simplesm tive uma idéia incrível! Farei um cardápio de apresentação do meu TCC para a aula de edição de arte editorial, aproveitarei e o usarei de verdade.

Quando ele estiver mais ou menos pronto, coloco aqui para você, caro leitor, ver a carinha dele. Tão fofo!

 

OBS: Por hoje é só, pessoal!

Melhor seria ler e comer…

Conversei com meu orientador do TCC, senhor Cripa. Hehehe… Como é que ele me aguenta? Enfim, roubei a revista E, do Sesc, dele, antes de qualquer coisa. E agora é marcar entrevistas e sair de casa.

Primeiros restaurantes escolhidos: Pizzaria Bruno e Itamarati.

O problema é que vou a restaurantes conversar com as pessoas, gravar um monte de falas, sentir cheiros, tirar fotos e comer? Quando é que eu como? Vai saber… Ou eu trabalho ou como. Mas terei que comer também. Como falar sobre essas lugares sem experimentar as comidinhas deliciosas? Será que alguém vai me oferecer algo? Bom, só descobrirei quando eu for. Quando isso aconteceu conto aqui como foi.

Ah, aceito indicações…

 

OBS: Comer, comer… Comer, comer… É o melhor para poder crescer. Não no meu caso. E olha que eu como pacas!

Chatos: sempre há um

Fui renovar a carteira de motorista no Poupatempo, achando que ia ficar lá no mínimo 2 horas. Fui bem preparada: garrafa de água, texto, revista, mp3, tudo para aguentar aquela pentelhação. Foi tão rápido que nem me toquei. Nem deu tempo de sentar. Quando vi já estava fazendo o exame médico. E as perguntas iniciais foram: “Você toma algum remédio?” “Já fez alguma operação?” “Usa drogas?” “Bebe?”. Respostas seguidas: “Não!” (cara de besta) “Não!” (cara de besta) “Não!” (cara de besta) “Não!” (cara de besta). Depois foi: fica em pé, abaixa, levanta o braço, fecha a mão. Fiquei fazendo alongamento da terceira idade. Depois foram as luzes no olho e tive que aguentar uma piadinha da médica: “Você alcança?”. Ha-ha-ha… No final da história, terei minha carteira de motorista novamente dia 12 de março. Falta o carro!

Consegui ir à PUC para ver o TCC do Abe. Cara, incrível! Muito bom!!! É sobre Vale Tudo! Ele e o Ricardo provaram que é sim possível fazer um ótimo trabalho quando realmente se dedica. Ou seja, é melhor eu mergulhar no meu, se não vai ficar uma merda gigante!

Enfim, cheguei na Osesp e trabalhei, trabalhei, trabalhei… Consegui parar para comer umas torradinhas com Nutella e chá mate. Valeu, Rodolfo!!! O pior é que não terminei. Tô ficando doida, bem doida. Mas tô bem, tô gostando a cada dia mais de lá. É lindo, as pessoas são incríveis e o trabalho é ótimo! Yes!!!

Ah, onde encontrei os chatos. Na faculdade e no ônibus. Na facul é o de sempre, comentários desnecessários e que não fazem o mínimo sentido. No ônibus também, são comentários desnecessários e que não fazem o mínimo sentido. O cara ficava gritando: “Vai, motorista! Vai levar três horas e meia?! Tira o pé do freio, motorista! Vai levar três horas e meia?! Ae, que lerdeza, motorista! Vai levar três horas e meia?!” Depois o papo mudou e ficou assim: “Pra que falar de futebol, tem que falar sobre família… bife… picanha…” Não entendi nada, mas ele estava me irritando, porque no final de cada frase, estalava o dedo. Bem chato!!! Mas tudo bem! Suportei!!!

Enfim, agora tô morrendo de sono, faz séculos que não leio blogs, que não leio nada o que deveria… Tô mals, viu!!!

 

OBS: Saudades dos amigos… Faz tempo que não conversamos, hein!!!

OBS2: Felipe Andreoli, cuidado comigo!

Não mexe comigo!

Ah, que brava e nervosa e puta e com vontade de socar que eu tô!

Internet, uma merda bem enorme e fedida; faculdade, uma confusão; tempo, para nada.

A tecnologia resolveu vir contra mim, para variar. Foi só elogiar e olha só o que ganho em troca: acessos negados, computador travado, coisas desligando e fechando sozinhas, msn caindo. Tá uma belezura!

Por que as pessoas complicam o que é simples? Afinal de contas, estamos em um curso de comunicação (no quaaaaaarto ano) e ninguém entende ninguém. Falamos todos a mesma língua? Ou gostamos de ficar lá, horas e horas, falando cada um a mesma coisa, mas com palavras e formas diferentes? Povo estranho! Não que eu seja um exemplo de pessoa que se comunica extremamente bem e que só com um olhar consegue dizer: “Por favor, você poderia me dar um capuccino e um pão de queijo bem gostoso. Quanto custa?” ou então “Acredito que a mídia impressa deveria tomar mais cuidado com a apuração dos fatos, assim como com a forma de escrever, a qual pode ser decisiva para a compreensão completa ou quase do leitor que pode pertencer a várias camadas da sociedade e viver alguns temas abordados diariamente, como por exemplo o transporte público que a cada dia fica mais caro, com menor qualidade e mais lotado”. Certo?

E acordo cedo, e pego carona, e pego ônibus, e ando, e ouço música, e faço carinho num pug, e chego na facul, e falo com todos, e entro na aula, e falam, falam, falam, e falo, e saio, e como, e pego livro na biblioteca, e ando, e pego trem, e ando, e entro, e trabalho, e fico brava, e, e, e… Tudo em minutinhos… O dia fica curto! Preciso de algumas horas mais! Alguém pode me dar?

Mas vou deixar de ser ranzinza e falar alguma coisa legal. Meu professor, orientador do TCC, gostou da minha ideia. Iurru!!! Porém ainda não vou contar sobre o que escreverei. MISTÉÉÉÉÉRIOOO!!! Posso dizer que é uma desculpa para falar de São Paulo, posso engordar bastante até o final do ano, será um livro-reportagem, farei um blog para registrar o andamento da pesquisa e tô contente pacas com isso. Ah, e tô fudida também, mas isso é mero detalhe.

E vai ter tabule(i) na janta! Yes!!!

Uma pérola de Max (rapaz que estuda comigo, conhecido pelas belas frases que diz de repente desde o primeiro dia de aula): “Eu vou chutar o pau do balde!”. (Expressão meio pornográfica!)

 

OBS: Estava emburrada no trabalho, pedi ajuda para o Rodolfo e ele veio com chá mate e passatempo. Pode isso!? Valeu, querido! Salvou meu dia!

OBS2: Sim, fico mais calma com chocolate, chá mate e coisinhas gostosas.

OBS3: Não, não adianta falar que vai ficar tudo bem e vai passar. Isso só piora.

OBS4: Felipe Andreoli, ainda te encontro por aí, rapaz. E te dou um feliz aniversário pessoalmente. Beijomeliga